Notícias

01

Jan / 2013

Universidade Federal de Pelotas realiza pesquisa sobre os efeitos da exaustão na armazenagem


O surgimento de tecnologias que atuam no sistema de exaustão dos silos e armazéns tem promovido bons resultados na manutenção da qualidade do grão. Recentemente o Laboratório de Qualidade de Grãos – LabGrãos – da Faculdade de Agronomia, da Universidade Federal de Pelotas, Rio Grande do Sul, concluiu parte de uma pesquisa que está realizando, parte de uma pesquisa que está realizando sobre os grãos armazenados. Para sabermos mais sobre este trabalho, a equipe do Informativo Cycloar, entrevistou o professor Dr. Moacir Elias, diretor do LabGrãos, que nos passou as informações sobre o projeto de pesquisa.

O trabalho foi realizado em silos instalados em uma indústria de Santa Catarina, portanto, é pesquisa feita em escala indústria de Santa Catarina, armazenados com umidade próxima a 12%, durante seis meses, em escala industrial, em silos secadores metálicos com capacidade para aproximadamente 550t, onde um era dotado de um mecanismo exaustor de ar outro não. Foram feitos monitoramentos tecnológicos durante o armazenamento, com determinação de umidade e avaliação e avaliação de qualidade de grãos. A umidade foi determinada segundo método patrão, em estufa com circulação de ar durante 24 horas a 105°C+3°C. Todas as análises foram executadas no LABGRÃOS, no Departamento de Ciência e Tecnologia Agroindustrial da Faculdade de Agronomia “Eliseu Maciel”, na Universidade Federal de Pelotas. As amostras de arroz em casca foram submetidas às operações de limpeza e seleção em protótipos de maquinas de ar e peneiras planas e cilíndricas, onde foram retiradas as impurezas e os materiais estranhos, antes da realização do processo de beneficiamento convencional de produção de arroz branco, usando metodologia desenvolvida no próprio Laboratório de Grãos. A identificação e a separação dos grãos com defeitos foram realizadas de acordo com os termos, conceitos e caracterização constantes na Instrução Normativa 06/2009, do Ministério da Agricultura. Os dados de consumo de energia formam coletados a partir de horímetros instalados junto ao sistema de aeração dos silos e da potência dos ventiladores.

O trabalho comparativo utilizou silos que tinham sistema de exaustão instalado e outro que não tinha, a comparação é necessária para se validar possíveis vantagens do uso da exaustão sobre a  qualidade industrial dos grãos e sobre a economia de energia decorrente da redução do tempo total de aeração de manutenção nos dois sistemas. O exaustor utilizado foi do sistema estático, patenteado pela Cycloar, dispositivo já instalado e em funcionamento na agroindústria.

Durante seis meses o silo que continha exaustor consumiu menos energia elétrica do que o silo sem esse dispositivo, mostrando que o manejo é eficiente na exaustão do ar quente do interior do silo, o que reduziu o número de horas de aeração da massa de grãos durante o armazenamento. A utilização dos exaustores possibilitou menores aumentos nos teores de grãos amarelos e de grãos manchados, mostrando eficiência em manter a temperatura baixa no interior do silo para a preservação da qualidade de grãos. Os resultados mostraram que o uso de mecanismo exaustor em seis meses de armazenamento de arroz com casca em silos equipados permite melhorar a preservação do grau de brancura, não altera a intensidade da coloração amarela e também não altera os parâmetros tempo e rendimento gravimétrico de cocção, mas aumenta o rendimento volumétrico de grãos. Isso significa que o uso de exaustores, além de reduzir o consumo de energia para aeração e melhorar a conservação dos grãos, pode melhorar na brancura dos grãos, que é uma característica positiva para o consumidor, sem prejudicar os parâmetros tecnológicos de cocção e nem os atributos sensoriais do arroz.

Os resultados não deixam dúvida nenhuma de que o uso do sistema de exaustão testado apresenta vantagens econômicas diretas pelo consumo de energia, e adicionais, pela melhoria da preservação da qualidade do arroz durante o armazenamento.


24

Ago / 2013

CYCLOAR GANHA TROFÉU NA CATEGORIA DESTAQUE DO PRÊMIO GERDAU MELHORES DA TERRA


   Aclamado por 318 usuários, o Sistema de Exaustão Cycloar foi vencedor na Categoria Destaque do  Prêmio Gerdau Melhores da Terra. O anúncio foi feito durante a solenidade de revelação dos finalistas,  realizada no dia 24 de agosto, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, durante a Expointer  2013. O diretor executivo  da Qualygran, empresa que é distribuidora Cycloar no Rio Grande do Sul e  Santa Catarina, Julio Espel, disse que ganhar o Prêmio já tem um grande valor, "mas ganhar um prêmio  cuja indicação e a avaliação foram feitas pelos usuários da tecnologia, é algo que nos enche de alegria,  porque demonstra que realmente o Cycloar é um equipamento que traz a solução esperada pelo  armazenador", assinala.


01

Jan / 2014

Pesquisa no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Goiano, comprova eficiência do Sistema de Exaustão Natural Cycloar.


 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano – Campus Rio Verde, através de seus pesquisadores desenvolveu um trabalho direcionado ao efeito do sistema de exaustão na qualidade do milho armazenado em silos metálicos. O objetivo foi avaliar o efeito do sistema de exaustão natural na qualidade do produto nestes silos. O experimento foi do sistema de exaustão natural na qualidade do produto nestes silos. O experimento foi realizado em dois silos com sistema de termometria semelhantes, com e sem o sistema de exaustão de ar Cycloar, onde os grãos ficaram armazenados por um período de 60 dias.

A metodologia da pesquisa se deu através do manejo do sistema de aeração nos silos, baseando-se na temperatura média da massa de grãos superior a 30°C e os parâmetros ambientais registrados com sensor digital. Foram retiradas a mostras a cada 15 dias e mensurados o teor de agua, massa especifica aparente, condutividade elétrica, porcentagem de germinação e grau de infestação por insetos. No atendimento do doutor em engenharia agrícola pela Universidade Federal de Viçosa, Osvaldo Resende, o silo com o sistema de exaustão proporcionou uma redução de 59,56% no acionamento do sistema de aeração, acarretando economia de energia bem como redução de 2°C na temperatura média da massa de grãos.

Com a instalação de sistemas de exaustão na cobertura de silos verticais, em quantidades proporcionais às características do ambiente, ronda-se o ar interno entre o telhado e a massa de grãos, o qual está quente e saturado, equilibrando a temperatura interna com a externa e eliminando, desse ambiente, o fenômeno físico da condensação. A aplicação desse sistema também proporciona outros benefícios ao produto armazenado, extraindo além do calor da massa de grãos, elementos como o pó, gases e a umidade do ar presentes no ambiente de armazenamento. Também evita a deterioração e a germinação indesejada, inibindo a proliferação de pragas e insetos e aumentando a eficiência de inseticidas e fungicidas. Da mesma forma, impede a compactação da camada superior dos grãos, mantendo a uniformidade da temperatura da massa e facilitando a passagem do ar da aeração forçada. Economiza até 50% da energia elétrica por gerar uma equalização de temperaturas na massa de grãos, reduzindo a aeraçãoe, consequentemente, a perda de massa.